Aos 44 anos, Lisa Sheridan, de ‘CSI’ e ‘Scandal’ é encontrada morta em seu apartamento; saiba detalhes





No dia 25 de fevereiro, Lisa Sheridan foi encontrada morta aos 44 anos em seu apartamento, em Nova Orleans. De acordo com a revista People, o empresário dela, Mitch Clem, só confirmou o falecimento da atriz de “CSI” nesta quarta-feira (27), mas as causas da morte ainda não foram esclarecidas. Para a publicação, ele ainda descartou o rumor de que a celebridade tenha cometido suicídio. Em sua trajetória artística, ela participou de produções como “Scandal”, “The 4400” e “The Mentalista”.

Todos nós amamos muito a Lisa e estamos arrasados ​​com essa perda que todos sentimos. Ela faleceu na segunda de manhã, em casa, em seu apartamento em Nova Orleans. Estamos à espera de um relatório dos médicos legistas sobre a causa da morte. A família confirmou que não foi suicídio e qualquer sugestão contrária a isso é 100% sem fundamento“, informou o empresário da atriz.

Donna D’Errico, amiga de Lisa e com quem ela contracenou no longa “Only God Can” lamentou a perda. “Eu estou aqui atordoada. É tão raro encontrar almas gentis como a dela nessa indústria, nessa cidade e até mesmo neste mundo. Verdadeiramente uma das pessoas mais genuinamente doces e gentis que já encontrei na minha vida. Ela trazia uma doçura e energia brilhante para qualquer sala em que entrasse… mesmo em seus tempos mais sombrios“, escreveu.

O cineasta e produtor Michael Dunaway também lamentou publicamente a morte da atriz. “Ela me chamava de ‘irmãozão’ e era assim que eu me via para ela. Nós nos conhecemos quando eu tinha 14 anos, mais de trinta anos atrás. Nós sempre estivemos conectados e fomos almas gêmeas desde o primeiro minuto”.

E continuou: “Pelo resto dos dias de sua vida, ela era uma parte central da minha. Ela era linda, obviamente, e uma atriz imensamente talentosa, e uma amiga maravilhosa, mas, mais do que tudo, irradiava energia e vida mesmo em seus momentos sombrios“.













View this post on Instagram

She called me Big Brother, and for all intents and purposes I was. I met Lisa when she was fourteen years old, over thirty years ago. We were immediately attached at the hip, true soulmates from minute one. For the rest of the days of her life, she was a central part of mine. She was beautiful, obviously, and an immensely talented actor, and a wonderful friend, but more than anything she really did radiate this impossibly bright energy and life. Even in her dark moments. And she had plenty of those, especially over the last few years. During these later years she took to telling me, "You’re the greatest big brother a girl could ever have." It was how we ended each conversation. I treasured it then, and I treasure it even more now knowing I’ll never hear it again, this side of the river. So good night, my sweet little sister. No one will ever again be to me what you were, and are. I’m trying to take comfort in knowing your struggles and pain and grief are "at last, and last behind you." I love you with all my heart, yesterday, today, and forever. Sorry that I can’t write more; it’s just still too painful.

A post shared by Michael Dunaway (@michaeljohndunaway) on

Sentimos muito pela morte da atriz! É sempre triste ver alguém tão jovem partir cedo!

(Vimos em Hugo Gloss)








Compartilhe!