Sabrina Sato sente efeito da amamentação já no 1º ensaio da Gaviões: é comum?



Leo Franco / AgNews | Leo Franco / AgNews

Já liberada para sambar após o a cesariana de Zoe, Sabrina Sato retomou sua rotina de trabalho no Carnaval. Recentemente, a apresentadora participou com muito ânimo do ensaio técnico da Gaviões da Fiel, escola de samba paulista da qual é rainha de bateria, entretanto, ela revelou que esse retorno à “Avenida” foi um pouco diferente.

A mamãe de primeira viagem afirmou sentir um “cansaço” durante o evento, que ela acredita ocorrer devido à amamentação. Isso realmente tem relação? Entenda:

Volta de Sabrina Sato ao Carnaval

Em seu canal no YouTube, a apresentadora publicou um vídeo que mostra detalhes do ensaio técnico que aconteceu no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, e após o evento ela afirmou que seu desempenho físico na “Avenida” foi pior em relação aos outros anos, antes de sua gestação.

“Amamentando, o gás não é o mesmo, porque suga muita energia, então hoje eu senti bastante no ensaio. Eu vou ter que começar a pegar a esteira e treinar cantando. Eu vou ter que correr cantando, porque o fato de estar cantando também cansa”, diz.

Leo Franco / AgNews

Cansaço na amamentação: por que ocorre?

Este “cansaço” que Sabrina sentiu pode, sim, estar relacionado ao fato dela ainda estar amamentando a pequena Zoe, e isso ocorre porque a nutriz acaba gastando muita energia durante o processo, o que inclui a ativação de hormônios, a produção e até o transporte do leite dos alvéolos aos lóbulos.

De acordo com a nutricionista Cintya Bassi, do Grupo São Cristóvão Saúde, a lactante produz, em média, 750 ml de leite por dia, e para essa produção gasta cerca de 640 calorias, o que pode, inclusive, fazer emagrecer durante a amamentação.

“Pelo gasto calórico da atividade, é comum que haja perda de peso durante o período da amamentação, o que deve girar em torno de 500g por mês. Algumas mulheres relatam que engordaram nesse período. Isso pode acontecer porque, com o gasto aumentado, a fome e sede também aumentam. O mais importante, nesse período, é avaliar a qualidade da alimentação da mãe”, afirma a especialista.

Apesar dessa sensação de cansaço e da possível perda de peso gradual durante a amamentação, estes fatores dificilmente afetam o valor nutricional do leite materno, entretanto, é preciso que a mãe fique atenta para que isso não interfira na produção do leite ou em seu estímulo para amamentar.

Como amenizar o cansaço durante a amamentação?

Ainda de acordo com a nutricionista, para evitar o tal “cansaço” é importante que a gestante descanse o máximo que puder, aproveitando as horas de sono do bebê e experimentando posições mais confortáveis para a amamentação, por exemplo.

Outro fator importante é que a alimentação saudável e a hidratação são combustíveis para o corpo, especialmente neste período de aleitamento, e além disso, a mulher pode verificar com seu médico a possibilidade da prática de exercícios físicos leves.

Nos casos em que este sintoma persistir, o quadro deve ser avaliado por um especialista para a identificação de possíveis deficiência nutricionais ou problemas de saúde, mas vale lembrar que o cansaço no pós-parto é uma queixa muito comum e acontece por diversos motivos que podem não ter relações com a amamentação.

“Temos que lembrar que o corpo está se recuperando de um desafio físico e que, enquanto isso, precisa cuidar de um recém-nascido que exige atenção integral. Além disso, a privação do sono acentua o cansaço. Pode ocorrer ainda um problema de saúde relacionado, que precisa ser investigado pelo médico, como hipotireoidismo ou depressão pós-parto”, afirma Cintya.

Alimentação durante a amamentação







View this post on Instagram

Nutrir de amor ❤️

A post shared by Sabrina Sato 🅱️+ (@sabrinasato) on

Nesta fase tão importante para a mãe e para o bebê, não é recomendado que as lactantes adotem dietas radicais e desequilibradas, pois isso, sim, pode pode provocar um efeito indesejado, tanto na qualidade quanto na produção do leite.

Segundo a nutricionista, a dieta da mamãe deve ser equilibrada e saudável, rica em água e grãos, como feijão, grão de bico e lentilha; cereais integrais; frutas e hortaliças; além de produtos fontes de proteína, cálcio e ferro, como carnes magras, vermelha ou branca, ovos, leite e derivados. Gorduras saudáveis em quantidades moderadas também são recomendados, como abacate, frutas oleaginosas, sementes e salmão.

Há alguns alimentos específicos que devem ser evitados pelas nutrizes, pois podem aumentar o risco de cólica no bebê, entretanto, este é um fator individual e depende da observação da mãe.

“Os agentes mais comuns são alho, chocolate, alimentos fermentativos como açúcar, brócolis, repolho, cebola e leite de vaca. O álcool deve ser evitado e a cafeína consumida em quantidades bem moderadas, porque algumas substâncias podem chegar ao bebê através do leite”, finaliza a especialista.

Sabrina Sato após a maternidade






(Visto em Vix)

Compartilhe!